quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Hendrix- A inquieta trajetória de um sobrevivente dos anos 60.




Os Anos 80, para Hendrix, seriam os anos da ressaca dos excessos jazz rock progressivos dos anos 70.
Seus poucos discos ao longo da década perdida, foram ruins e contavam com produções frouxas. Lps como Sons of Marte e Surrealistic Conceptions, estavam bem distantes do Hendrix que, antes, tinha reinventado a guitarra elétrica, usando e abusando de todos os limites do instrumento, como no disco Stoner de 77 gravado com Miles Davis, onde fazia a guitarra soar como um trumpete, enquanto  Miles fazia o contrario.

Em 85, Hendrix abraça uma espécie de auto exílio. Larga tudo e vai morar em uma mansão isolada nos arredores de Seattle, cercado de guitarras e cachorros, ao lado de sua mulher Monica e seus quatro filhos.
Raramente dava entrevistas, foram apenas duas a Rolling Stone nesse período. Ficava horas e horas trancado em seu estúdio particular,  experimentando e brincando enquanto a tempestade dos anos 80, ficava para trás.
Hendrix so voltaria a cena em 93, empolgado pelos acordes distorcidos dos garotos da sua terra natal. Grava um cd ao lado de Kurt Cobain chamado Survivors.  Com participação da nata do som grunge, e produzido por Steve Albinni, Hendrix mostra uma vitalidade que não se via desde os anos 60, mergulhando sua Gibson em ondas de som sujo e pesado.

A experiência parece ter feito bem a Jimmy, já que ele praticamente, se infiltrou no som  e na cena dos anos 90, lançando discos cada vez mais ousados e inventivos. Gravou Blue com o Massive Attack, onde mostrou que o trip hop e o blues tem muito mais em comum do que se imaginava; com o Jon Spencer Blues Explosion lançou Maniac Slavery onde predominava o rock garageiro meio psicodélico e meio punk; em Flight, produzido por Beck,  apenas acompanhou com sua guitarra, um time de cantoras (Erikah badu, Alanis Morrissete, Fiona Apple etc..)  em interpretações  pop jazz tropicalistas, de algumas de suas canções inéditas compostas durante o seu auto exílio.

Seu próximo trabalho foi o acústico Simple Soul, produzido por Dom Was, onde um Hendrix sozinho, acompanhado apenas de uma guitarra acústica, reinterpreta clássicos da soul music em uma atmosfera livre e relaxada.

Ao lado de Prince criou o The Power of Purple, que nunca seria lançado e se tornaria o “disco pirata” mais baixado da estória da Internet. Os dois teriam brigado feio, por diferenças criativas, o que inviabilizou que o projeto visse a luz do dia.

A partir de 2000 Hendrix, desenvolve ao lado de Rick Rubin a série Black and White America ( que já esta em seu sétimo volume) onde  recebe vários amigos para tocar suas novas composições, os convidados vão de Prodigy a Chilli peppers, passando por Ministry e a dupla Gnarls Barkley.

Inquieto e prestes a completar 70 anos, Jimmy promete para esse ano o lançamento de Revolting Sons of TV, que gravou ao lado do falecido Gil Scott Heron e Hip Hop Eat My Brain com a banda The Roots.

Para o próximo ano, esta previsto o lançamento de um Box contendo cinco CDs, chamado The Eletric Lost, recheado  de  gravações da época do seu retiro.
Dá uma tristeza em pensar, no que nossos ouvidos teriam perdido, se a overdose, que quase o matou em  70,  o tivesse levado  cedo demais.

Um comentário:

  1. Genial, só esqueceu a tour brasileira que começa hoje 7 de setembro de 2012 (horário de Brasília)!

    ResponderExcluir